Assinatura RSS

Pequena.

Publicado em

Deixa, por agora, eu ser pequena. Me sentir a menor coisa que já pousou os pezinhos na Terra, tecendo profundas contradições sobre tudo.
Não, não me desmente agora. Deixa eu me enganar um pouco mais, pra poder sorrir. E viver sorrindo, sorrindo palavras, sorrindo esperas, sorrindo infindáveis pores do sol, que eu te daria de presente, se quisesses.
Só não me deixa ser mais do que você pode ver, mais do que se pode segurar com as mãos. Mais do que se pode abraçar. De que serve ser tanto (a) e não caber num abraço?
Então cuida pra que eu não transborde, pra que numa dessas tardes vazias, eu não escape a mim mesma procurando pela tal luz no fim do túnel. Que eu cansei de procurar felicidade fora daqui, fora de mim.
E depois, já no fim, me deixa pousar a cabeça no teu colo, nos teus ombros. Segura as minhas mãos, pra sempre pequenas. Escuta. Escuta atento, ao meu último suspiro. E deixa pra depois o que já não precisa esperar.

 

*esta última frase vem da canção do Cícero, “-Eu não tenho um barco, disse a árvore”.

Anúncios

Sobre Amanda

Atriz da Cia CemCulpas e escritora de meia tigela.

»

  1. Já estou há um tempinho sem vir por aqui, mas gostei muito do novo visual do seu blog!
    =)

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: