Assinatura RSS

Quanto tempo o tempo tem?

Publicado em

O tempo passava, enquanto ela se encolhia. Talvez, fosse só uma questão de gosto: o tempo fazendo questão de assistir àquele espetáculo de vida e de morte, quietinho, sem mexer seus ponteiros, só observando de canto de olho as esperas alheias. 

Quando enfim todos os arrepios cessassem e ninguém mais observasse espetáculo algum, moveria um invisível milésimo de lugar.

No entanto, o infinito de uma angústia plena condensava-se à sua frente. Lenta e dolorosamente, contorcendo-se em contradições.

Ela abandonava, um a um, todos os pesos que cedo ou tarde se dispusera a carregar, e desfazia, por fim, os nós mais apertados de que se tem notícia. 

Absorta, não percebia o tempo pausado. Concentrava-se apenas, livre e inteiramente em não ser. Contradi(ser).

Anúncios

Sobre Amanda

Atriz da Cia CemCulpas e escritora de meia tigela.

Uma resposta »

  1. “Na noumenalidade do não ser”. Adorei! “Contradi(ser)”, é o que define muito de mim também.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: