Assinatura RSS

Crônica particular de uma vida impessoal.

Publicado em
Pensava que quando terminasse de lavar os pratos, sua vida mudaria.
Cada suspiro, um recomeço (que nunca vinha, efetivamente). Perdia a fé nas pessoas quase todos os dias; e quase todas as manhãs, a reencontrava. Não sabia mais lidar com a solidão, de tal forma que estava sempre sozinha, mesmo quando rodeada de amigos, conhecidos e estranhos; sem fé, em todos e em nenhum.
No começo de todos os começos, achava que não sobreviveria. Nos finais, sobrevivia, mesmo que vazia ou que lhe tivessem arrancado pedaços. Ainda nos finais, deixava de sentir dor para sorrir, indiferentemente e sem razão.
Sabia de sua displicência e ignorância, e achava que admitindo-as se redimiria. Entendia que a vida, o mundo e as pessoas apenas andavam em círculos imperfeitos e mal feitos, para nunca saírem do lugar, fato que lhe parecia curioso e triste.

Gostava de trazer à mente imagens antigas de um passado remoto e colorido. Não entendia porque o presente tinha de ser preto e branco, apesar de apreciar seus diferentes tons de cinza.

Anúncios

Sobre Amanda

Atriz da Cia CemCulpas e escritora de meia tigela.

Uma resposta »

  1. Olá Mandis, Faz tempo que não nos visitamos (comunicamos) via blog.Achei sua crônica muito singela. Gosto do como você trabalha as reentrâncias da alma. No detalhe, acho que poderia talvez ter omitido alguns corolários de suas afirmações, mas no todo é uma crônica gostosaq de ler.Beijos Big MOnster!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: